A brabeza Pernambucana diante o absurdo

Os pernambucanos sempre protestaram contra abusos e desigualdades. Lembram a Revolução Pernambucana de 1817? No golpe militar de 1964, Gregório Bezerra foi arrastado pelas ruas do Recife por bradar contra a ditadura fascista. Centenas de estudantes e trabalhadores largaram seus afazeres e se dirigiram ao Palácio das Princesas em solidariedade a Miguel Arraes, que havia sido encurralado pelos reacionários. Tivemos guerreiros como Virgulino Ferreira da Silva, Frei Caneca, Domingos José Martins, entre outros bravos. É preciso ter coragem para encarar o absurdo de frente e lutar contra a degeneração do homem.

Revolucionários não deixam de nascer no Recife. Ariano Suassuna vestiu-se de Leão para encarar a massificação cultural norte-americana. Os folguedos populares continuam resistindo, aos trancos e barrancos, ao imperialismo comercial, ao preconceito classicista e racial, para perpetuar as tradições dos nossos ancestrais. Eduardo Melo, da Festa da Lavadeira, é um exemplo atual da constante busca pelos princípios inalienáveis de igualdade e liberdade propostos por Rousseau em 1762, inclusive no que diz respeito à propriedade. Além de defender, propagar e registrar o folclore pernambucano, na Festa da Lavadeira, há 24 anos ininterruptos, tenta aplacar desigualdades morais e políticas. Que não deixam de ser sociais, a partir do momento em que o povo se apropria da festa, tornado-a fruto da convenção humana – e pela tensão gerada no conflito para perpetuação pacífica do evento no seu lugar de origem, a Praia do Paiva, litoral sul de Pernambuco.

Enquanto os ex-participantes do Big Brother Brasil recebem os holofotes da TV e a mídia previsível mescla terror/entretenimento, a empreiteira Odebrecht coloca todos os entraves possíveis para realização de um evento sobre o que temos de mais genuíno na nossa cultura. É o absurdo! Entretanto, a sociedade reage, não aceita pasmem, defende espontaneamente a sua cultura “marginalizada” em data significativa, a festa acontece todo 1º de maio, Dia Internacional do Trabalhador.

O Movimento Negro Unificado, o evento Terça Negra, o Gabinete de Assessoria Jurídica às Organizações Populares (GAJOP), a Associação Brasileira das Rádios Comunitárias (ABRAÇO) e O Povo de Terreiro sairam em defesa do evento que recebeu prêmios do IPHAN, Ministério da Cultura, é Patrimônio do Povo de Pernambuco, além de fazer parte do calendário turístico oficial do Estado. Cidadãos comuns têm se manifestado solidariamente em defesa da Festa. Subestimam a opinião pública e o poder do boca em boca, que agora conta com os altos falantes das redes sociais da internet, enquanto, mais uma vez, a grande mídia e os poderes públicos silenciam.

A vida é dura, apesar das festas e brincadeiras, a vida é séria. Precisamos nos apoderar do presente, do passo vindouro e passado. Sempre fui simpática ao Governador Eduardo Campos, mesmo sendo apartidária e nunca ter trocado qualquer tipo de palavra ou favor. Talvez por amar as histórias e reconhecer Arraes como familiar do povo, dos operários, do histórico MCP (Movimento da Cultura Popular), da ACO (Ação Católica Operária). Caro Governador, vamos lembrar uma idéia popular que o elegeu como nosso representante: “Filho de peixe, peixinho é”. A essência, o olhar e a coragem devem permanecer. Nos sentiremos representados em vê-lo de Caboclo de Lança na 25ª Festa da Lavadeira, na Praia do Paiva, da mesma forma que nos sentimos homenageados quando vestes o gibão do Sertão na Missa do Vaqueiro, em Serrita.

Vamos de mãos dadas com os cabras mulatos crioulos negros índios e matutos brindar juntos nossa identidade cultural, sem vergonha, democracia é tudo misturado! Ou deixou de ser?

  • Axé Belisa, vamos em frente. O Quilombo Cultural Malunguinho com o povo da Jurema tá de braços dados com a Lavadeira, não há entrave que destrua uma construção espiritual como esta!

    Lembro apenas que a falta de atitude do nosso governador até o momento, revela-nos algo muito interessante de se observar: Somos um Estado racista, fortemente racista ainda, e por isso, em 25 anos de Festa, o evento não se transformou em algo concreto para o governo. Ser do calendário oficial turistico do Estado é muito pouco ainda, a cultura popular precisa mesmo é de uma política de salva-guarda e a Lavadeira é a porta pra esta discussão.

    L’Omi.

  • Jacinto Leite Aquino Rêgo

    Grande e bravo esse Ariano… pena que ele nasceu foi na Paraíba…

  • Anna Maria Salustiano

    Ótimo texto, Belisa.Parabéns! Os pernambucanos precisam conhecer a verdadeira cultura popular que ainda resiste a empresas como a Odebrecht. O mínimo que devemos fazer é cobrar dos representantes políticos, respeito e dignidade a quem faz a Festa da Lavadeira e ao cidadão que não tem condições de comprar uma “casinha” dàquela da Reserva do Paiva. Vamos juntos brindar nossa identidade cultural!!