Ative-se para um sexo melhor

Se você é daquelas mulheres que aos 15 minutos do primeiro tempo, de sexo, já está totalmente esgotada fisicamente, está na hora de repensar a sua saúde. Tão importante quanto transar em si, é manter um bom condicionamento físico, pois uma boa oxigenação e batimentos cardíacos adequados, junto a um tônus muscular que dê conta de pelo menos uma horinha de atividade sexual intensa, são imprescindíveis. O sexo, nessas condições, vai deixar você capaz de se movimentar melhor e ter mais prazer, além de manter sua pele e mente com aquela leveza que te deixa lindíssima. Seu corpo estará mais disposto para não somente as atividades do dia-a-dia, mas também com mais gás para encarar boas noites a dois (ou como você preferir).

Segundo a professora de Educação Física Letícia Antunes, professora de pilates do Studio Carol Monteiro, “existem vários exercícios pra fortalecimento do assoalho pélvico que vão, desde técnicas bem simples às mais avançadas, como o pompoarismo, que visa melhoria do desempenho sexual”. O assoalho pélvico, citado por Letícia, nada mais é que um conjunto de 13 músculos em torno da bacia que têm a função de sustentar os órgãos pélvicos. A fraqueza desses músculos pode ocasionar disfunções sexuais e outros transtornos em algumas mulheres, muitas das quais não sabem o que é períneo nem sua importância. “A disfunção sexual ou flacidez vaginal pode interferir tanto no seu orgasmo como no do seu parceiro, daí a importância das atividades físicas no desempenho da sexualidade”, diz Letícia.

O primeiro passo para começar a investir em um treino que visa o sexo é focar na resistência cardiorrespiratória (capacidade de resistir a um esforço prolongado sem entrar rapidamente em fadiga) e na resistência muscular, que segura o corpo para a realização de movimentos. Considerado por alguns como um exercício físico, a atividade sexual aumenta a circulação sanguínea, a pressão arterial, eleva o ritmo cardíaco e deixa a respiração ofegante. Também libera hormônios como a endorfina, dopamina e serotonina, mas com uma sensação de prazer diferente da anterior. “Durante uma relação sexual, o coração pode chegar a bater 190 batimentos por minuto. A melhoria do condicionamento físico e o aumento da resistência cardiorespiratória interfere no desempenho sexual. Quanto mais condicionado e saudável está seu corpo e mente, maior será a qualidade do ato sexual e mais fôlego você terá”, pontua a educadora física.

Mas se o sexo por si só já é um exercício, porque investir em uma segunda opção para mexer os músculos e liberar endorfina? O motivo é simples e muita gente já passou por isso: na hora de transar, diversas pessoas são acometidas por dores ou disfunções musculares, como as cãimbras. “No ato sexual, muitas vezes é necessário sustentar o corpo em determinadas posições por algum tempo, a melhoria do condicionamento físico já traduziria em uma menor incidência de câimbras e outros desconfortos como dor lombar e cansaço nas pernas. Ao evitar o sedentarismo, praticar alongamentos, manter-se hidratado e ter uma alimentação rica em cálcio, magnésio e potássio, é possível afastar e muito a probabilidade desses efeitos desagradáveis aparecerem durante a relação sexual”, explica.

É preciso lembrar que praticar atividades físicas é bom não somente para melhorar o sexo, mas também todos os outros setores que envolvem o corpo. “Essa melhoria do empenho sexual é decorrente da melhoria da saúde completa. É uma consequência de um melhor condicionamento físico, da autoestima e saúde mental”, explica Letícia, que deixa para os nossos leitores algumas exercícios que trabalham mais especicificamente a região pélvica: a corrida é um exercício completo; a musculação provoca ganho no condicionamento geral; o pilates trabalha a musculatura do assoalho pélvico; a ioga aumenta a flexibilidade e a consciência corporal; a dança do ventre mexe com a região pélvica e é uma dança muito sensual.

Com as dicas em mente, você já pode escolher a atividade mais adequada para você e sair dos 15 minutos para alcançar horas de sexo sem sentir um tiquinho de fadiga. Por cada horinha cada pessoa gasta de 200 kcal até 450 kcal dependendo da intensidade da relação, assim como do metabolismo de cada individuo. “Pode ser que algumas pessoas nem percam peso, mas o sexo saudável e em boas condições tem ótimos efeitos sobre o corpo”, conclui Letícia. E se lembre de usar preservativo. Se proteger é sempre uma ótima opção.