“Ser e pensar é o mesmo”

Essa parece uma tese um tanto abstrata, do tipo que só com argumento de redução ao absurdo poderia prová-la. O argumento paralelo que utilizarei aqui é um dito popular: “O pensamento é um caçador”. Na mitologia afro brasileira, o caçador é um arquétipo de um orixá, entendendo-se por ori (cabeça) e xá (poder), ou seja, entre tantos orixás, o arquétipo do pensador-caçador é um dos poderes da nossa mente. Até então, estamos analisando a frase pelo sob o aspecto do pensamento como ponto de vista. Esclarecido, prossigo com um pouco mais de mitologia. O caçador, chamado também de Oxossi, é irmão de Ogum, considerado como o guerreiro, aquele que com sua espada desvenda a ciência. Assim, a africanidade traz como irmãos a ciência e o pensar.

Vamos agora analisar a parte do ser e da existência, ao que parece essa frase “Ser e pensar é o mesmo”, transparece que somente aqueles que pensam são. O que me parece que é um tanto polêmico, já que os animais são considerados como irracionais e existem. Ou eles existiriam a partir do nosso ponto de vista ou então se nós, humanos, não pensássemos, não existiríamos também. Parece um tanto absurdo pensar em uma hipótese tão fora de nossa realidade de seres pensantes o tempo todo. Então, após essa pequena reflexão, voltando a ligar o ser ao pensar, é dito que se o pensamento é um caçador, podemos voltar aos animais. Lembro que geralmente os animais são a caça, isso até justificaria o nosso aspecto predador – que os vegetarianos não leiam esse texto. Ainda assim, sabe-se que hoje, nós como pensantes caçadores, não estamos mais interessados em fazer da nossa existência uma pura sobrevivência. Na verdade, estamos mais interessados em caçar outros seres pensantes.

  • Prof, ser é pensar, pensar é ser, assim são os animais. Por mais que haja tanta irracionalidade humana no mundo. Até os de memória mais curta, conseguem ser. Algo do outro planeta, extraordinário, como o vosso (vo)ser.