Efemérides

O filósofo Gustavo Fontes lançou recentemente o livro Efemérides, de contos e poemas, pela Editora Bagaço. A festa foi linda, animada pela viola de dez cordas de Rodrigo Veras e a música consciente de Jalú Maranhão. Pelo significado do título, o livro pode ser tábuas astronômicas que indicam diariamente a posição dos diversos planetas ou nuances de um diário de dez anos do autor.

Mário Hélio, no prefácio, apresenta Gustavo Índio: “Nas rodas de Malherbe cultivadas por Gustavo as irradiações e as farturas têm como atributo verdadeiro e mais íntimo a fugacidade. Menos força para o divino esplendor e a reverência. (…) Do solene e estelar ao mais terra a terra, da simples poeira do calçado – mais do que o até metafísico pó que ao pó retorna – o poeta entender, como Augusto, que há mais filosofia no escarro – neste caso, no cuspe – que em toda moral”.

Um pouco de poesia para vocês ficarem com gosto na boca. O livro pode ser encontrado nas melhores livrarias da cidade.

Efemérides de Gustavo Fontes (Editora Bagaço)
Efemérides de Gustavo Fontes
(Editora Bagaço)

Marfuente

Corre o Rio:
Brenhas, barro, barricadas.

As feras,
Circundando em suas revoluções celestes:
esferas.

O mato, místico manto que medra;
os faros.
E com passos largos,
pouco ou muito concretos,
O predador ina(p)to: ex-fera.

No intento de parar no peito,
o ocorrer do rio,
se afoga;
e sem afago, se afunda.

Na fuga,
reina o medo; único
concreto,
que omite a fera,
e mata.

Corrói o Rio.

  • Manuella

    🙂 O querido.